Terceira Infância

A terceira infância, segundo Piaget, é marcada pela fase da alfabetização escolar e a fase do encantamento.

Na terceira infância, que compreende a fase dos 6 aos 9 anos aproximadamente, em que a criança se encontra na fase da alfabetização, as emoções começam a fazer parte do interesse. Os contos em que as crianças experimentam sensações de medo, angústia, encantamento, excitação, são solicitados por elas. Heróis, princesas, soldados, mágicos, são personagens recorrentes. Elas se encontram no mundo do sentimento, mas também no mundo do “encantamento”. Histórias de monstros, bruxas, caveiras, ou de lutas e guerras trazem alteração em seu estado de ânimo. Mexem com a respiração e provoca alteração nos batimentos cardíacos. Auxiliam na maturação e no controle das emoções. Surge o laço além do núcleo familiar, como a figura do amigo(a) e o exercício da vontade de gostar, querer e ter de forma mais social. A individualidade aflora.

As histórias podem ser mais longas e com um maior número de personagens. A estrutura pode também ser mais complexa, mas ainda apoiada na imagem e não nas ideias, nem opiniões e preferências narrador, mas sim do ator contador de história. As palavras conotativas e as rimas são bem aceitas, assim como “jargões” e “trejeitos” de personagens agradam pela repetição e estranheza que causam. A narrativa passa a ser mais “corporal”, com auxílio de ferramentas que ambientem a história, tais como: instrumentos musicais, pequenos cenários, objetos e móveis reais, de preferência que causem sensação de atemporalidade.

Fase da Empatia

A partir dos nove anos, adentrando na pré-adolescência, a criança começa a desenvolver “empatias” (simpatia e antipatia) com situações, pessoas e atividades. Ela começa a escolher suas amizades e grupos sociais, distanciando-se cada vez mais das figuras paternas.

As histórias que remetam a busca da individualidade e ao encontro de um grupo sociocultural chamam a atenção.

A Puberdade

Já no período que entram na puberdade, até os 16 anos aproximadamente, fazem sucesso livros e histórias com o mesmo perfil de “O Senhor dos Anéis”, “Harry Potter“, “Crepúsculo”, pois irão de encontro do sentimento de liberdade e aventura, apresentando a possibilidade de realizarem suas próprias escolhas, buscando aceitação e reconhecimento do que são e representam num grupo social e familiar. É nessa fase que optam por livre escolha uma atividade de expressão,como música, teatro, dança, esporte, tecnologia. Por isso as sagas e novelas adolescentes atraem grupos específicos de acordo com a temática abordada. Já não unanimidade de estilos, nem musicais, literários, vestuário, mas “galeras” que compartilham de um mesmo mundo sócio comportamental.

18 thoughts on “Terceira Infância”

  1. Muito interessante esta abordagem dos campos de interesse por faixa etária. Novamente me surpreendo com um termo novo – 3a infância. Gostaria de saber melhor os fundamentos desta divisão.Senti falta de referenciais teóricos no texto. Mas como professora, percebo nitidamente estas predileções e composição de repertórios ao longo da trajetória escolar. Na transição do 1o para o 2o ciclo se evidencia muito mesmo esta mudança de comportamento e busca por novas leituras.

  2. A terceira infância se refere a crianças de 6 a 9 anos, fase de alfabetização e com interesse em histórias que despertem emoções e as relações sociais saem do ambiente familiar. Assim as histórias podem ser mais extensas. A partir desta fase, os jovens procuram histórias e leituras sobre aventuras, buscam a sensacao de liberdade. Os interesses, conforme a idade, apresentam mudanças significativas.

  3. A terceira infância é marcada pelo encantamento….dessa forma prestam mais atenção aos detalhes,o que é legal, pois pode ser utilizado muitos recursos que chamem sua atenção. As histórias passam a ser entendidas por elas, dessa maneira é importante escolher repertório que lhes agrade mais…

  4. A terceira infância é marcada pelo mundo de encantamento , um mundo de sentimentos no qual começam a fazer parte de seus interesses, com histórias mais longas e narrativas mais corporais.
    Com essa atenção marcada por essa infância, se torna mais amplo os recursos que poderão ser utilizados nas contações .

  5. A terceira infância se refere a crianças de 6 a 9 anos, fase de alfabetização e com interesse em histórias que despertem emoções e sentimentos, marcados pelo encantamento. As as histórias podem ser mais longas, com narrativas mais corporais, com euforia e com personagens diversos as crianças apresentam comportamento de simpatia e empatia e antipatia.

  6. Na terceira infância, a criança já se encontra em momento de alfabetização, por isso, histórias um pouco mais longas, onde os sentimentos afloram, são mais indicados. Histórias com aventuras, onde o adolescente sente a liberdade, já são mais indicadas as crianças na fase da puberdade.
    Muito interessante essa divisão das faixas etárias, e suas diferentes formas de contar histórias.

  7. Na terceira infância, a criança está na fase da alfabetização, as emoções começam a ter mais interesse. Nessa fase as histórias podem ser mais longas, com bastantes personagens. Nessa fase a criança também se encontra em um mundo de encantamento, histórias de bruxas , monstros, etc..

  8. A individualidade aflora. É necessário trabalhar a empatia em um grupo para assim termos cidadãos que pensam um no outro. O poder de trabalhar valores através de histórias formam pessoas melhores. Através de histórias mudamos atitudes.

  9. A terceira infância é uma etapa transicional de co-regulaçao, na qual os pais e a criança dividem o poder: os pais supervisionam, mas as crianças tomam decisões a todo momento.

  10. A terceira infância é a fase de se alfabetizar a criança. É uma fase em que se pode começar a ser trabalhado o concreto, o pensamento complexo da criança. As histórias podem ser mais longas e com vocabulário diferentes. Palavras novas devem ser transmitidas pelas histórias.

  11. Na terceira infância, as crianças demonstram mais interesse em história que despertam as sensações de medo, angústia, encantamento, com príncipes, princesas, heróis, bruxas entre outros. As histórias podem ser mais longas, o número de personagens também poderá ser maior e para atrair mais a atenção das crianças pode ser acrescentado alguns recursos, como expressões corporais para abrilhantar ainda mais a contação da história.

  12. A contação de história na 3 infacia, traz oportunidades de explorar e desenvolver a oralidade com intensão na escrita de forma prazerosa.

  13. Na terceira infância, que compreende a fase dos 6 aos 9 anos aproximadamente, em que a criança se encontra na fase da alfabetização, as emoções começam a fazer parte do interesse. Os contos em que as crianças experimentam sensações de medo, angústia, encantamento, excitação, são solicitados por elas. Heróis, princesas, soldados, mágicos, são personagens recorrentes. Elas se encontram no mundo do sentimento, mas também no mundo do “encantamento”.

  14. A terceira infância, segundo Piaget, é marcada pela fase da alfabetização escolar e a fase do encantamento. As crianças dessa faixa etária de 6 aos 9 anos de idade. Elas se encontram no mundo do sentimento, mas também no mundo do “encantamento”. Histórias de monstros, bruxas, caveiras, ou de lutas e guerras trazem alteração em seu estado de ânimo.

  15. Essa é a fase de alfabetização da criança, uma fase em que se pode começar a ser trabalhado pensamento complexo. Histórias podem ser maiores e o como cabular diferentes..

  16. Essa é a fase de alfabetização da criança, uma fase em que se pode começar a ser trabalhado pensamento complexo. Histórias podem ser maiores e o com vocabulário diferentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *