Ritos e Preparativos

Contador de históia se maquiando
Maquiagem – José Robson momentos antes da apresentação – Jacutinga, MG

Nos principais grupos étnicos antigos do oriente e ocidente, do novo mundo e do velho mundo, as crenças e sociedade eram baseadas em ritos e o papel que cada membro ocupava na hierarquia do conhecimento e do sagrado.

Para que um membro alcançasse algum “status” social, ou sagrado em particular, os ritos de passagem eram necessários e grandemente esperados. Através de rituais, a comunidade se unia e mantinha uma vibração uníssona para a execução de gestos, cânticos e ações. Sem querer adentrar no estudo dos ritos, sua importância, necessidade,  justificativas e aprovações éticas, morais e humanistas para a civilização contemporânea, vou abordar o “rito” como um conjunto de hábitos, procedimentos e repetições que podemos fazer com a finalidade ´nica de mergulhar na contação de história. Vou propor a divisão do rito em três formas:

  • Rito para preparação;
  • Rito para recepção;
  • Rito para encerramento*.

Cada tipo de ritual terá um caráter específico e não necessariamente precisam ser realizados conjuntamente. Nesse momento do estudo, realizar ao menos um dos ritos seria uma forma de enriquecer a experiência do aluno contador de história. Logicamente não precisa ser incorporado pelo narrador, ou pode sofrer modificações ao longo da sua trajetória.

Rito de Preparação

O ritual de preparação, como o nome já revela, é o conjunto de ações realizadas antes da contação de história. A preparação se aplica tanto às crianças quanto ao contador de histórias.

A Preparação das crianças: nem sempre o narrador terá a chance de colaborar com a preparação das crianças antes da contação. Caso tenha acesso, pode sugerir:

  • Conversa sobre o autor;
  • Trabalhos manuais com sobre os personagens;
  • Passeios temáticos sobre a história;
  • Oficina de sensações com elementos da contação.

Haverá tantas possibilidades quanto o número e formatos de histórias. Então, as atividades, que serão os rituais das crianças podem ser personalizadas de acordo com cada história. Ficará a cargo dos educadores das crianças e de uma proposta do narrador, caso seja possível esse contato prévio.

Rito para Recepção

No caso das crianças, o “prólogo” já será o rito receptivo. O contador poderá usar a música de entrada com um ritual, mas a proposta é um ritual pessoal  pré-narrativa.

Criar um procedimento para a preparação do material que usará, desde sua separação em casa, ou local onde os guarda, até a sua organização no espaço cênico ajudará muito na concentração.

Para os momentos que antecedem a apresentação, um aquecimento corporal e vocal (tratarei desse e outros temas no curso “A Preparação do Contador de Histórias”), juntamente com uma dinâmica criada unicamente para o foco e o mergulho no ato de contação de história será o ritual do contador. Muitas vezes, várias tentativas e experimentações serão necessárias para estabelecer um ritual que seja perfeita para si.

*Os ritos para encerramento irei tratar na última aula do curso.


Ao final da aula, mais informações para a criação do plano de uma contação de história. Os detalhes, tais como texto, formato e como enviar para sua avaliação final estarão na “rota de aprendizagem” .(os exercícios, plano de aula e vídeos são exclusivos para alunos do curso.)


O Artigo acima faz parte integral do “Curso de Contação de Histórias” da Cia ArtePalco. Não pode ser reproduzido, copiado, ou utilizado sem prévia autorização.

INSCREVA-SE: Se deseja participar do curso, inscreva-se em aqui.

14 thoughts on “Ritos e Preparativos”

  1. É legal usar ritos e preparativos para começar a história, isso causa nas crianças, curiosidade, assim elas prestam atenção na história.

  2. os rituais são usados desde outros tempos, e percebemos que tem grande influência nos tempos atuais. Rituais, significam a preparação para o que vai acontecer, os ouvintes se entertem e assim pode se esperar da plateia que tenha maior concentração.

  3. Os ritos e prepativos são importantes para o acolhimento das crianças na contação de histórias. Abre caminho para um diálogo com os artistas e fazem um reconhecimento do espaço, da idade das crianças e o trabalho que vão ser realizados. Ambos interligam essas ações ao momento lúdico e imaginário das crianças na contação de história.

  4. Os ritos e preparativos é signicativo para o autor e para a narrativa. O autor deste texto propôs a divisão do rito em três formas: rito para preparação; rito para recepção, rito para encerramento. Ritos de preparação nada mais é do que as ações que antecede a contação de história. Se aplica tanto às criança quanto ao contador de histórias. Ritos de recepção seria a abertura da narração , se vai começar com uma música, dinâmica, jogo, etc. Os ritos e preparativos ajudam na confiança e calma do contador e a se manter em ordem, assim com ajuda as crianças também.

  5. O contador de história ao começar a sua apresentação não deve se precipitar. Com calma ele deve fazer um planejamento de como irá apresentar, fazer aquecimento corporal e vocal. Deste modo ele terá o controle da apresentação, sabendo como começar e finalizar.

  6. Os Ritos e preparativos é importante tanto para o contador, quanto para a criança. O autor fala no texto sobre divisão do rito em três formas: Rito para preparação, Rito para recepção, Rito para encerramento. O rito de preparação, é todo aquele conjunto de ações realizadas antes da contação de História. E o rito para recepção, o contador ele pode usar músicas de entrada com um ritual , para a abertura da narrativa , podendo usar também dinâmicas , brincadeiras, etc.. , os ritos e preparativos, ajudam a preparar o contator antes da contação e também as crianças.

  7. O contador de histórias não deve se precipitar no início do discurso. Ele deve planejar com calma sua performance, preparação corporal e vocal. Assim, ele controlará a apresentação e saberá como começar e terminar.

  8. O ritual de preparação, como o nome já revela, é o conjunto de ações realizadas antes da contação de história. A preparação se aplica tanto às crianças quanto ao contador de histórias. Para os momentos que antecedem a apresentação, um aquecimento corporal e vocal (tratarei desse e outros temas no curso “A Preparação do Contador de Histórias”), juntamente com uma dinâmica criada unicamente para o foco e o mergulho no ato de contação de história será o ritual do contador.

  9. Os ritmos e os preparativos é algo significativo tanto para o autor quanto para a narração.
    O autor divide o ritmo em três formas: Ritmo para preparação, ritmo para recepção em ritmo para encerramento.
    Ritmo para preparação, são as ações que antecedem a contação.
    Ritmo para recepção, é a abertura com que vai acontecer, seja música, um jogo, dinâmicas e etc.

  10. Os ritos e prepativos são importantes para o acolhimento das crianças e dos contadores de histórias, tem três ritos, o de preparação, o rito de recepção e o rito para encerramento. O rito de preparação como o nome já fala será um conjunto de ações realizadas antes da contação de história, o rito de preparação, o rito de recepção e de encerramento conta com um conjunto de hábitos e procedimentos podendo ter repetições que podem fazer com que a finalidade seja mergulhar na contação de história, e assim preparar as crianças e os contadores antes durante depois, na preparação das crianças nem sempre o narrador ter a chance de colaborar com a preparação antes caso tenha acesso pode: Conversa sobre o autor, trabalhos manuais com sobre os personagens, passeios temáticos sobre a história e etc
    Oficina de sensações com elementos da contação. Rito para Recepção: no rito de recepção pode acontecer o prólogo que poderá usar uma música de entrada como ritual, dinâmicas ou até jogos e brincadeiras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *