Primeira Infância

A primeira infância, segundo Piaget, será a fase da imitação, sonora e pictórica. Abrange desde o nascimento até os 03 anos de Idade aproximadamente. É nessa fase que a família tende ser mais protetora e oferecer o o maior número de estímulos sonoros, tanto verbais quanto de objetos…

Cia ArtePalco e Samamba – na foto: Mayara Nascimento e Fernando Pessoto

Esta fase compreende do 0 (zero) a aproximadamente 03 (três) anos de vida incompletos. É fácil entender que os estímulos visuais e sonoros terão preferências, em detrimento a verbalização de frases e orações mais completas e/ou complexas. Logo nos primeiros meses de vida e até os sete e noves meses, as sensações serão mais importantes, elas sentirão antes da compreender. Elas estão no mundo da repetição, ritmo e da fonética. Logo, contar uma história da forma que conhecemos não terá a menor importância para a atenção da criança. Ela irá, mesmo, se entreter com o som das palavras, ao invés do seu significado, aos “trejeitos” e tons que usamos mais do que as intenções e razões que queremos empregar.

O Som e A Forma

As narrativas como parlendas, poesias rimadas e cantigas, principalmente que contenham “onomatopeia”, bem como as brincadeiras rítmicas e sons dos mais variados, chamarão por sobre maneira a atenção das crianças que estão na primeira infância. É pela sensação auditiva do mundo e o estímulo de cores e formas que a criança nessa faixa etária procura se relacionar e explorar o ambiente a sua volta. Em nada será danoso contarmos histórias da forma tradicional, mas sua atenção se dissolverá em poucos minutos, porém, se entendermos o comportamentos das crianças na primeira infância, poderão ficar atentas por longo tempo se houver sons, cores e movimentos repetitivos e cadenciados, juntamente com o que cantamos e contamos.

A Repetição

É nessa fase que a criança irá adquirir muitos dos comportamentos e vocabulário que experimentará e exercitará na próxima fase.  Poderíamos pensar que menos “repetições” do mesmo estímulo e mais variações seria melhor, porém, temos que manter certa familiaridade e frequência, voltando aos sons e propostas numa cadência até certo ponto estudada. A variação contínua, sem a revisitação das brincadeiras, da sonoridade e estímulos visuais, pode deixá-las dispersas. Ao contrário, dar a possibilidade de reencontrar um estímulo que lhe foi agradável e divertido fortalecerá sua segurança e aumentará o grau de sua concentração e interiorização do que lhe for apresentado. Diversidade, sim. Mas repetição é a palavra chave para crianças da primeira infância.

Cantigas e Parlendas

As cantigas de ninar são um clássico exemplo de versos adequados a essa faixa etária. Possuem todos os elementos necessários para chamar a atenção dessas crianças e são utilizadas secularmente por todas as civilizações, desde as mais remotas às mais contemporâneas. Trazem rima, “figura de linguagem”, repetição e melodia. Surgem repetidas vezes, se não diariamente da vivência infantil. Passa a ser um “ritual de adormecer”, acalma e estabelece um relacionamento duradouro entre quem canta e quem ouve. Ainda depois de adultos, as musicas suscitam emoções e sensações a diversos momentos da nossa vida.

Interagir com a criança cantando parlendas é essencial para fortalecer os laços entre adultos e crianças.

Ser o Exemplo

Saber como a criança reage nessa fase aos diversos estímulos é essencial para o estabelecimento de um repertório lúdico, oral e emocional. É através da figura materna que a criança terá o primeiro laço social e familiar. Não é por acaso que boa parte dos contos destinados a tenra infância (entre 02 e 03 anos) dos livros contemporâneos e vários tradicionais, possuem personagens femininas marcantes, ou principais, como princesas, rainhas, fadas, tias, madrastas, avó, professoras e a própria mãe. Elas se identificam natural e rapidamente com estas, criando uma empatia quase que imediata. Segundo Freud, na transição da primeira para a segunda infância, e entre a segunda e terceira, externam o complexo de Édipo exatamente advindos da proximidade da figura cuidadora da criança, em especial a adultos familiares, e particularmente as mães, ou suas substitutas. São essas figuras que irão suplantar os instintos agressivos, egocêntricos e antissociais, na imitação afetiva da sua cuidadora em relação ao mundo e as pessoas. Temos, então, que sermos exemplos de conduta, moral, justiça, afetividade e ações. São histórias que tragam esses valores que devemos, em primeiro momento, introduzir gradativamente no dia a dia das crianças da primeira infância.

O Verbo é Ação

Na primeira infância a criança começa a descobrir seu corpo e a se relacionar com ele. A motricidade deve ser estimulada. Ela tem necessidade de exercitar a “pega” e o manuseio de objetos, além de imitar gestos simples e claros. Também, a linguagem está em franco desenvolvimento e experimentação. As palavras reconhecíveis são ilhas em meio às inúmeras ainda desconhecidas e suscitam movimento e reações. A dedução dos significados ocultos nos signos sonoros, que para nós já não tem atrativos significantes, cria um movimento e esforço contínuo de compreensão interna. Ouvir é o grande estímulo para a fala. Alguns estudos apontam para que a resposta fetal ás batidas do coração da mãe é o desenvolvimento do órgão da fala, numa tentativa orgânica de estabelecer comunicação verbal.

Se assim for, parte da resposta que procuramos sobre a ausência de “silêncio” e constantes interrupções em atividades lúdicas, principalmente para a faixa etária entre 02 e 3 anos, sua inquietação e tentativas de relacionamento com o agente sonoro, são explicáveis.

Plateia ou Personagem

Elas não são plateias no sentido exato da palavra, mas participantes vivos no ato lúdico ali estabelecido. Elas querem pegar, tocar, olhar de perto o que está acontecendo.  Atividades que não prevejam essa interação e picos de concentração e completo desligamento têm menos chances de sucesso, mesmo com crianças entre 2 e 4 anos. Elas sentirão vontade de rir, levantar, correr, pegar, tocar, perguntar, falar, desmentir, desacordar… Ainda não dominam reações como o medo, o susto, a ansiedade, a excitação e irão reagir imediatamente as ações que causarem estranheza, ou reconhecimento afetivo em seus sentidos. Se desejarmos que ouçam quietas e compenetradas a música, ou história será motivo de decepção para nós contadores. Muitas vezes nem chegaremos ao final da história, pois que a reação coletiva moverá o grupo para outro foco de atenção: danças, pulos, gritos, correrias.

Interação

Nas crianças que chegam aos dois e três anos,  já conseguem resolver várias das habilidades motoras e partem para a motricidade  fina e noções de lateralidade. Os gestos dão lugar aos movimentos e coreografias lúdicas.  Elas pedem atividades que exercitem suas pernas e tronco e qualquer estímulo sonoro e visual serão transformados em movimento físico por elas. Não raro vemos crianças dançando e pulando em momentos da música de maior excitação, ou em momentos da história em que haja algum efeito, ou recurso sonoro. Para aproveitarmos esta predisposição e mantermos as crianças sempre presentes e concentradas em nossas atividades, seria interessante mesclar atividades que possibilitem a exteriorização dessas necessidades, com momentos de quietude e narrativa mais cadenciada. Atividades de curta duração que exijam concentração para o treino da motricidade fina, como dobrar, cortar e colar começam a ser introduzidas e podem fazer parte de um plano de histórias em que, antes, ou pós a narrativa, um elemento da história seja motivo de trabalho manual.

Muitas das descobertas da primeira infância se amplificam na segunda, com o domínio da oralidade e controle da lateralidade.


O Artigo acima faz parte integral do “Curso de Contação de Histórias” da Cia ArtePalco. Não pode ser reproduzido, copiado, ou utilizado sem prévia autorização.

INSCREVA-SE: Se deseja participar do curso, inscreva-se em aqui.

19 thoughts on “Primeira Infância”

  1. Gostei muito deste texto. Como professora, estou acostumada com a concentração das crianças na hora da contação. Agora, preciso me preparar um público mais novo, com toda sua inquietação, seu movimento, suas necessidades. Será novo para mim que só trabalhei com crianças a partir dos 4 anos.

  2. Na primeira infância dá-se ênfase aos estímulos sonoros e visuais, dessa maneira, as histórias são mais visuais com vários recursos. É legal fazer a criança internar com a história, visto que elas se movimentam muito durante a contação. Assim, as entrete e ainda conseguimos fazê-las prestarem atenção.

  3. Devemos entender as crianças ma primeira infância em uma contação de histórias para que sua atenção não se dissolva em poucos minutos , e para isso além do conhecimento para com elas também deve-se frizar neste infância os sons, cores e movimentos repetitivos . O que se torna mais atrativo prendendo assim a atenção desejada à todos.

  4. É apaixonante esse momento com as crianças pequenas! A sensibilidade delas, a curiosidade e a alegria que expressam em descobrir os sons, as cores, os movimentos é contagiante. Com um bom plano podemos contribuir muito com o desenvolvimento integral delas e ainda promover momentos de intensa alegria.

  5. Na primeira infância dá-se ênfase aos estímulos sonoros e visuais, dessa maneira, as histórias são mais visuais com vários recursos como instrumentos sonoros e coloridos e de diversas formas.
    Com historinhas curtas e sonoras as crianças da primeira infância conseguem prender atenção por pouco tempo. Ativos construções é contagiante e traz uma interação aos pequeninos ou tendo promover momentos de alegria.

  6. É na primeira infância que a criança corresponde aos instimulos sonoros e visuais. A escolha certa do tema, o uso de material para a história e momento com essa criança traz uma fantástica sensação aos pequenos. A criança não é só plateia, a criança é um mediador, através dos atos e ações do contador a criança se desenvolve plenamente, consegue associar o som as imagens, fazendo assim com que tenha um aprendizado efetivo.

  7. Na primeira infância as crianças nos encantam com a facilidade de compreensão que elas desenvolvem, transformando seu aprendizado. Elas conseguem adquirir os estímulos sonoros com facilidade.

  8. Muito bom o texto. A primeira infância é onde os pequenos estaram mais atententos a sons e formas, como, histórias com algum ritmo de música, brincadeiras com músicas de diferentes ritmos, objetos que fazem barulho, coisas visuais que chamam bastante atenção ,etc.. É muito importante isso, pois assim a criança se desenvolve mais. Com sons diferentes vc ganhará mais atenção das crianças durante a contação de histórias. Essa é fase das imitações sonoras e pictórica.

  9. A primeira infância é a fase mais importante para p desenvolvimento de bebês e crianças, pois as mesmas ficam ligadas aos acontecimentos ao ser redor, assimilando uma porcentagem grande até os cinco anos, desenvolvem suas habilidades motoras, equilíbrio, atenção, concentração e psicomotor. percebe-se tudo isso durante uma contação de história, as crianças nesta fase assimilam com muita facilidade.

  10. A primeira infância é o momento mágico onde podemos despertar na criança a sua imaginação.
    É possível viajar, se divertir sem sair do lugar, é só fechar os olhos e imaginar. Quem narra história é ter dom. Dom de mexer com a imaginação.
    É o momento que desenvolve habilidades com atenção,concentração.
    Na história você pode imaginar, criar e viver momentos mágicos.

  11. Os seis primeiros anos de vida são os mais importantes no crescimento e desenvolvimento da criança. É essencial que pais, cuidadores, professores e todos que participam efetivamente da vida da criança estejam conscientes de seus papéis tanto no desenvolvimento cognitivo dela, quanto no social e intelectual.

  12. O período da primeira infância corresponde ao pré-natal e o sexto ano de vida da criança, contabilizando 1.000 dias de desenvolvimento crucial para o crescimento desse ser. Nesses primeiros anos, cerca de mil células cerebrais se conectam por segundo, o que proporciona a saúde mental e física da criança, assim como o seu desenvolvimento estrutural pleno. É por isso que crescer em um ambiente cercado de segurança, saúde, boa alimentação e estímulos positivos é imprescindível.

  13. Na primeira infância (0 a 3 anos) o foco está nos estímulos sonoros, visuais e na repetição.
    O contador de histórias tendo o conhecimento da primeira infância escolherá histórias adequadas, que prendam a atenção da criança, visto que, nessa fase elas são inquietas, curiosas sobre seu corpo e as coisas a sua volta, e ainda não tem totalmente entendimento sobre as coisas. Tornando sua atenção total para uma única coisa difícil. Cantigas e parlendas seriam perfeitos para está fase, que a primeira infância.
    Os pais se tornam fatores importantes para a criança, principalmente a mãe. É através da figura materna que o pequeno terá o seu primeiro laço social e familiar.
    Muitos contos dos livros contemporâneos e tradicionais, possuem personagens femininos marcantes ou principais, como princesas, rainhas, avó, madrasta, professoras, tias, fadas e a própria mãe. A criança cria, então uma empatia quase que imediata.
    A primeira infância é a base de todo o desenvolvimento da criança, por isso, deve ser trabalhada com paciência, amor, cuidado e com criatividade. Contar histórias é uma ótima forma de estimular, divertir e ensinar.

  14. Na primeira infancia as crianças estão fazendo as suas primeiras descobertas através das sensações e uma maneira de ajudar neste momento é fazendo o uso de estímulos visuais e sonoros.
    Podemos recitar poesias, parlendas e cantar músicas que imite os animais. Elas ficarão encantadas.

  15. A primeira infância, segundo Piaget, será a fase da imitação, sonora e pictórica. Abrange desde o nascimento até os 03 anos de Idade aproximadamente.

  16. Ótimo texto. A primeira infância abrange crianças de 0 a 3 anos de idade e nessa faixa etária, a criança tem total proteção dos pais . Na primeira infância a criança começa a descobrir seu corpo e a se relacionar com ele, a criança começa a descobrir do que seu corpo e capaz de fazer .

  17. A escolha das histórias que vai contar para uma criança deve ser muito importante e deve ser escolhida com bastante cuidado, sabendo que a criança ela não tem total conhecimento sobre as coisas. Então escolha do livro deve estar acompanhado com a realidade da criança. Conforme ela vai crescendo A escolha dos livros começa a ter mudanças para se adequar a sua faixa etária.

    Primeira infância: na primeira infância o foco está no este mundo sonoros visuais e na repetição.
    o contador de história em deve ter conhecimento da primeira infância, escolher histórias que fixem a atenção da crianças, elas não param um minuto sequer, então a história deve ser voltada para ela de forma em que ela fique fixada ali.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *