Ritos e Preparativos

Nos principais grupos étnicos antigos do oriente e ocidente, do novo mundo e do velho mundo, as crenças e sociedade eram baseadas em ritos e o papel que cada membro ocupava na hierarquia do conhecimento e do sagrado. Para que Leia mais …

Pontos de Interesse

Também podemos iniciar uma história tendo como ponto de partida interesses coletivos, ou individual das crianças. Isso ocorre principalmente com “temas” amplamente difundidos pela mídia, ou por “desenhos da moda”. Muitas escolas usam “interesses” que julgam importantes e que fazem Leia mais …

Oportunidade

Já em situações em que não há plateia definida, por vários motivos, podemos estar livres para começar a história para grupos pequenos, ou mesmo uma, ou duas crianças apenas a qualquer momento. Isso acontece muito em eventos com fluxo intermite Leia mais …

Dinâmica

Os contadores que não tem nenhuma afinidade musical e nem tem um aparelho de som para “tocar” uma música no início das apresentações tem a oportunidade de brincar, jogar e realizar dinâmicas. No meu caso, não sou musico e lanço Leia mais …

AFINANDO A PLATEIA

Ao perceber que as crianças chegavam para ouvir as histórias com sentimentos, sensações, vivências, expectativas, pensamentos e cronologia (atividades do dia anteriores à história) muito diferentes uma das outras, entendi que os momentos que antecediam a história podiam ser usados Leia mais …

A Introdução da Contação

Muitos aspirantes, e até mesmo contadores experientes, perguntam-se  como iniciar uma determinada história nossas histórias. Uma expressão das mais conhecidas e usadas para se iniciar principalmente os contos de fadas, prepara o público para uma narrativa fora do mundo objetivo, Leia mais …